Curtindo o espírito olímpico: Granville Island

As olimpíadas já acabaram e eu não terminei a minha série de posts! Ainda bem que só faltou esse aqui.

O Canadá ficou em terceiro lugar no quadro de medalhas, com 14 medalhas de ouro, recorde para o país e finalmente quebraram o encanto de ganhar uma medalha de ouro em solo canadense (o Canadá já tinha sediado 2 olimpíadas, sem ter ganho ouro aqui).

O destaque vai pro ouro do hóquei masculino. O jogo foi no domingo e o país inteiro parou. É como se fosse Copa do Mundo com Brasil na final, pra vocês terem idéia. E por pouco não perderam para os vizinhos de baixo! O jogo foi pra prorrogação e tudo! Na prorrogação, quem marca primeiro ganha e o Canadá fez gol (ou score, como eles chamam)! Sei que no final das contas eu torci e fiquei na pontinha do sofá com o coração na mão. Até final de curling eu assisti (as canadenses entregaram o ouro pras suecas, de mão beijada!). André disse que eu já virei canadense mesmo. ;)

Mas deixa eu falar do dia 20, sábado.

Novamente fez outro dia lindo de sol. Mas a idéia era sair no finzinho da tarde, pra ver o Vectorial Elevantion em Granville Island. Também não dá pra ficar comendo fora todos os dias, então aproveitamos pra fazer o que tinha que fazer em casa e sair depois do almoço. Novamente tínhamos que ir a pé, por causa das ruas fechadas. Eu já tinha estudado o trajeto, tinha que sair na última estação do metrô e trocar pra Canada Line pra depois pegar o bonde que instalaram especialmente para o evento. Mas no meio do caminho cismei que dava pra ir andando da estação da Main Street. E realmente dá, em condições normais de CNTP.

Eu nunca vi tanta gente junta aqui! O Science World foi tomado pelos russos pra promover os jogos olímpicos de inverno em 2014. A fila pra entrar lá estava gigantesca!

E, pra minha decepção, o caminho até a estação do bonde estava fechado. Pra chegar lá a pé íamos ter que dar uma volta imensa! A solução foi voltar pro metrô e fazer o trajeto original.

A estação de Waterfront estava abarrotada de gente! Filas pra subir no elevador, nas escadas rolantes. Muita gente mesmo! No meio da muvuca eu ouvi um funcionário do skytrain falar no telefone que nunca tinha visto a estação tão cheia na vida. Sério, eu quase me senti em plena Rua do Ouvidor na hora do almoço em dezembro. Com exceção do frio, era bem parecido mesmo. E eu tenho uma certa fobia de lugares cheios de gente, fico agoniada mesmo. O meu humor não estava muito bom nessa altura do campeonato, mas não podíamos deixar a peteca cair e tentar aproveitar o passeio.

Pegamos a linha nova do skytrain e descemos na estação da Vila Olímpica. Atrás da estação estava o ponto do bonde (street car). Tinha fila também. Aliás, pra TUDO tinha fila durante os jogos. Quinze minutos de fila, dois minutos de viagem até Granville Island.

Granville Island é um dos meus lugares preferidos da cidade. Durante os jogos olímpicos, foi palco da Casa do Atlântico (províncias do Atlântico Norte: Nova Scotia, New Brunswick, Prince Edward Island e Newfoundland and Labrador), do pavilhão dos Suíços e da parte francesa do Canadá. A gente queria chegar pro show das 6 na Casa do Atlântico, com músicas e histórias do local, mas eu tinha lido que tinha que chegar na fila pelo menos 1 hora antes do show. E já eram 5 da tarde.

Quando chegamos tinha um desfile de monstros na rua, com música. A percussão estava tocando um tipo de samba até!

E teve que ter uma parada estratégica no parquinho. Senão ninguém ia em lugar nenhum.

Atlantic House Canada: filas e mais filas por toda parte! Pelo menos era civilizado, mas desanimava ficar na fila. Já estava escurecendo e o friozinho apertando. Acabou que não deu tempo pra pegarmos o show.

E ainda não era hora das luzes, e aproveitei pra fotografar o fim da tarde. ADORO esse lugar! Os prédios do lado de lá ficam no centro da cidade, que tem uma parte residencial e uma parte comercial.

A dúvida agora era o que fazer. Já tínhamos perdido o show, as luzes ainda não tinham começado. As crianças já estavam cansadas, com fome. Eu tinha levado uns biscoitos, mas já não estavam mais sustentando as meninas. E fomos procurar onde comer. Mas tudo tinha fila, tudo super cheio. E queríamos sentar num lugar quentinho pra poder comer alguma coisa. Simplesmente impossível. Até demos uma espiada no Pavilhão Francófono, onde estava acontecendo um show de artistas do Quebéc. Tinha uma barraquinha que vendia crepes e André se animou pra comer lá, mas não tinha onde sentar, muito menos em lugar fechado. Então ficamos perambulando por lá até começarem as luzes pelo menos.

Tentamos entrar na Casa dos Suíços pra comer, mas a fila pra ser atendido era de 3 horas!

Até que finalmente as luzes do Vectorial Elevation começaram. Essa instalação fez parte da olimpíada cultural em Vancouver. De toda parte da cidade dá pra ver as luzes dançando no céu, quando não está encoberto. Aproveitei pra treinar fotografia noturna e vi o sufoco que é! Preciso de lentes mais claras, e um tripé! Mas até que deu pro gasto, prendendo bem a respiração e tentando ser uma estátua na hora de disparar o obturador.

Meu marido é super paciente comigo mesmo. Por ele já tínhamos ido embora muito antes das luzes aparecerem no céu. Fome, frio, cansaço tomavam conta de todos nós. E ainda tinha a viagem de volta – o mesmo percurso. No final das contas foi mesmo super cansativo, principalmente pelas meninas. Porque andamos, andamos e não fizemos muita coisa. Se fosse só eu e ele, tudo bem, mas aquilo não era programa pra criança, não por tanto tempo. Mas valeu. Assim a gente tem história pra contar, não é mesmo?

Sobre Ana Paula

Jornalista e escritora carioca expatriada em Vancouver, no Canadá.

Comentários

  1. historia pra contar e fotos LINDAS!
    pena que todo mundo resolveu fazer o mesmo passeio :(

  2. Realmente… Boas histórias para contar… E que fotos hein?!?!

    Bjs, saudades!!

  3. Isso não foi um passeio, foi uma aventura a la Indiana Jones. Uma pena que não deu pra aproveitar como vocês queriam.

    E a vida segue…

  4. Mas vem cá, o Canadá não foi o país com mais medalhas de ouro?, ou será que eu parei de ver a contagem e outro pais o superou.
    Me conta vai, rs.
    bjks

  5. olá! gostei do blog, estou linkando com o brasil com z. beijos!

Comente

*